1. Fomos diferentes.

    domingo, 13 de setembro de 2015

    Desde o começo, a gente sabia que era diferente.
    Desde quando você ficou assustado com a minha idade. Desde o nosso primeiro beijo. Eu namorava e achava que estava apaixonada por outra pessoa. Desde quando você segurou minha mão como se sua vida dependesse daquilo. Desde quando você dirigia com uma mão só para poder me dar a outra. Desde quando não existia facebook e as declarações eram feitas como esta aqui, em blogs.
    Desde quando Marcelo Camelo e Mallu Magalhaes eram nossa trilha sonora oficial. Desde quando todo mundo te disse que só ia durar seis meses e você disse "então vou ser feliz esses seis meses, obrigada". Desde quando todo mundo reclamava da sua ex namorada e eu morria de medo de ninguém gostar de mim. Desde quando meus amigos me diziam que você tinha tudo a ver comigo. Desde quando você entendeu minhas amizades. Desde quando eu te aceitei como o equilíbrio necessário. Desde quando nos víamos só a cada 15 dias depois de uma viagem de 3 horas. Desde quando sua família me abraçou como se eu fosse parte dela e você já era parte da minha há anos. Desde que soubemos que liberdade fazia parte da nossa essência. Desde quando eu decidi morar fora do país e não recebi nada além de apoio. Quando vejo tanta gente triste por que acabou e quando percebi que éramos exemplo pra muita gente, percebo que fomos muito diferentes. Fomos diferentes por que sabemos que separados somos menos.
    Pra mim, a certeza de que fomos diferentes chegou definitivamente agora. Enquanto escrevo este post já que é a única forma que sei como desabafar. Sabendo que nos próximos dias irei lembrar de tantas outras formas nas quais fomos diferentes e vou querer voltar e editar esse texto todo. Fomos diferentes pois apesar de tudo, não te desejo nada além de coisas boas e espero que você, aí do outro lado, também tenha certeza de que fomos diferentes. Hoje, quando olho pra trás e vejo quantas vezes escolhemos levar a vida do nosso jeito, tenho orgulho de nós dois. Orgulho pois nunca nos desculpamos por ser diferentes. Sabíamos que essa diferença na verdade nos fazia únicos.
    Acho que por isso dói tanto. Machuca pois sei que tudo isso é muito raro e talvez só aconteça uma vez na vida e essa tenha sido a minha. Mas, não se engane, se a gente só tem uma chance na vida de ser diferente, agradeço todos os dias por ter sido com você.
    |


  2. terça-feira, 8 de setembro de 2015

    Amar verdadeiramente as pessoas é perdoá-las por ser quem são. E esperar, com o coração na boca, ser perdoado também.
    |


  3. Não tive tempo.

    quinta-feira, 3 de setembro de 2015

    Quando a gente volta, a única coisa que espera é que tudo esteja no mesmo lugar. Daquele enfeite no móvel da sala ao cheiro familiar no travesseiro. Seja um mês ou um ano: a beleza da volta está na familiaridade das coisas que o tempo não apaga. Pois é, voltei. Mas infelizmente não tive tempo.
    Não tive tempo de matar as saudades. Não tive tempo de te dizer que na verdade, sempre te preferi com barba. Não tive tempo de contar que o café de lá continua horrível e que o vento continua batendo como se cortasse o rosto e o coração da gente. Não tive tempo de discutir todas as coisas novas que aprendi. Não tive tempo de abraçar sem precisar ter motivo. Não tive tempo de ouvir suas aflições diárias. Não tive tempo de te apresentar para as pessoas que conheci. Não tive tempo de te contar sobre lugares que fui. Não tive tempo de te perguntar pra onde desejaria ir. Não tive tempo de perguntar qual pós graduação você decidiu fazer. Não tive tempo de te contar dos planos que fiz para 2016. Não tive tempo de ceder e aceitar que as vezes é melhor não fazer plano nenhum. Não tive tempo de me arrepender de muita coisas. Não tive tempo de contar que depois de tantos anos, seu rosto ainda era a primeira coisa que eu queria ver quando descesse do avião. Não tive tempo de te dizer que me decepcionei mas também não tive tempo de dizer que tudo bem.
    Não tive tempo, principalmente, de descansar meus olhos nos seus com a sensação de que aquilo nunca iria mudar. De de te olhar nos olhos uma última vez e me sentir a pessoa mais amada do mundo. Não tive tempo de fazer muitas coisas. Mas afinal, quem é que tem tempo?


    |