1. Da série coisas que qualquer um pode (e deve) entender.

    quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

    Sempre tive minha parcela de problemas com erros de português. Na escola, era exemplo clássico do tipo chatinha-professor-pasquale que saía por aí apontando dedos e corrigindo meio mundo. Quando decidi fazer Letras, assumo, foi pelo simples fato de gostar de português (tanto de literatura quanto da gramática) e não por interesse na reflexão da língua. Imaginem como foi, pra mim, entrar em Letras na Universidade de São Paulo. 
    Meu primeiro ano de faculdade foi como levar um tapa na cara e uma rasteira em seguida. Quando consegui acordar do estado de choque é que percebi como vinha repetindo e defendendo regras que eu mesma não entendia. Estudar preconceito linguístico pra mim, foi como abrir a janela de um quarto escuro pela primeira vez. Iluminador. Acredito, aliás, que todos deveriam ter pelo menos uma aula sobre o assunto. Todo mundo deveria levar esse tapa na cara decisivo na vida de qualquer falante de português-brasileiro. 
    O triste é perceber que nem os futuros professores de português discutem preconceito linguístico em seus 4 (as vezes só três) anos de graduação. Me atordoa saber que milhares de professores formam-se todos os anos sem nunca ter aprendido que discriminar alguém pelo modo como ele emprega a língua não só é preconceito mas também é contraproducente - dizer a alguém que o modo como ele fala é "errado" não faz com que essa pessoa queira aprender o certo, só faz com que ela o menospreze. 
    O problema - ou o começo dele - está exatamente nos anos de faculdade. Universidades que se preocupam com a qualidade de seus profissionais de Letras acabam por não formar alunos interessados no ensino de português  (principalmente em escolas públicas). Esses professores acabam por serem formados, então, por outras faculdades, que nem sempre se apegam à qualificação de um professor de português competente, e é com esse professor que a massa brasileira tem aula todos os dias.
    É esse professor que vai repetir mil vezes para o aluno "burro" que "mim" não conjuga verbo e que "mim ser índio" - já que, claro, é assim que os povos indígenas se comunicam (em português). É esse professor que vai despertar o ódio pelo português em seus próprios falantes. É esse professor que vai fazer com que alunos do Ensino Médio, como eu, achar que têm o direito de dizer ao amigo qual é o jeito certo de usar uma língua que é usada sem nenhum problema desde os dois anos de idade. É esse professor que vai afastar seus alunos do entendimento que a língua é dinâmica e plural, sendo ela usada de diferentes formas sem relação de superioridade entre elas. Não é fácil, eu sei, mas é necessário. 
    Minha esperança é: se eu consegui entender, qualquer pessoa pode.


    |


  2. 0 comentários:

    Postar um comentário