1. Quando...

    terça-feira, 18 de fevereiro de 2014




    Queria voltar no tempo. Só um pouquinho. Não é nem para os anos 80 ou pra quando era criança no interior. Queria voltar naquele tempo onde eu era ignorante. Sim, ignorante.  Sinto inveja da menina que eu era, avulsa da sociedade, mas feliz. Quando eu andava por aí inconsciente desse mundo louco e injusto em que vivo. Quando eu e minha irmã ouvimos "olha as gordinhas sexy" (que além de machista é de uma gordofobia extrema.) de um carro cheio de marmanjos e rimos, pois não sabíamos o que fazer. Quando um homem me olhava feio pois fiz alguma coisa errada no trânsito e eu morria de vergonha. Hoje em dia, tudo isso incomoda. Incomoda por quê na minha recente decisão de me mudar com o meu namorado, enquanto ele respondia se tinha gostado do apartamento, eu ouvia comentários sobre ser dona de casa e aprender a lavar roupa.
    Queria voltar naquele tempo quando eu não sabia que até minha família é machista nas pequenas coisas. São as melhores pessoas que conheço no mundo mas ainda acham que é obrigação das mulheres lavar a louça depois do almoço. Não os culpo. Mas me dói. Machuca pois levei vinte anos para perceber coisas óbvias e contestar imposições preconceituosas que me revoltam. Incomoda pois passei mais da metade da minha vida dentro de escolas que me ensinavam equações de segundo grau mas falhavam em explicar que lugar de preconceito é no século passado. Demorei vinte anos para acreditar que qualquer pessoa pode lavar a louça, e que receber cantada na rua não é nenhum elogio (pelo contrário). 
    A questão é: infelizmente não posso voltar. Agora já sei - e ainda tenho muito a aprender - e o estrago já foi feito. Fui arruinada pela consciência e aceitando o risco de ser chata e repetitiva, tenho me recusado a ficar calada diante de questões que antes passariam despercebidas na esperança de assolar mais algumas pessoas com o dádiva do discernimento.

    |


  2. 0 comentários:

    Postar um comentário