1. Amigos!

    segunda-feira, 25 de junho de 2012

    “-Vamos pedir uma?”- E para bom entendedor, meia palavra basta. Uma Skol, geralmente, bem gelada. Uma para refrescar, ignorar o calor. Uma para esquecer a prova de cálculo ou de clássicos na próxima semana. Uma para esquecer que brigou com o namorado, ou para esquecer que ainda não tem namorado. Uma para contar histórias e dividir experiências. Uma para lembrar, do mês passado, do ano passado ou da vida passada. Uma para rir de piadas – até as sem graça. Uma para desinibir e falar de assuntos proibidos que só as mulheres sabem discutir. Uma para comemorar a quinta-feira, o sábado, ou até a segunda. Uma para fofocar e falar mal daqueles que não tem o privilégio de se sentar conosco. Uma para várias de nós. Todas dividindo uma, duas...ou quantas pudermos aguentar!"





    Não sei se é o clima de começo de férias (só mais uma semana e um trabalho pela frente!), mas ultimamente dois sentimentos parecem ter tomado conta de mim: saudade e esperança. Saudade, pois quando entrei na faculdade e voltei para São Paulo como sempre quis, deixei pra trás, em uma cidadezinha do interior que nunca significou nada pra mim, momentos e companheirismos inesquecíveis. Alguns dos personagens principais desses momentos estão geograficamente perto, mas nada é como antes. Sinto falta de tardes de conversas, das noites dormidas em seis (onde coubesse, lá estávamos), jantas na casa das amigas, rodízios de pizza no Barello ou lanches do Mingo. Começo, agora, a entender porquê sempre me disseram que sentiria falta do ensino médio. Ou melhor, quase entendo. Não é o ensino médio que faz falta, são os amigos. E bom, amigos não estão presos ao chão, ainda bem. Podemos nos encontrar sempre que a vida der uma brecha.
    Conheci muitas pessoas importantes desde que entrei na faculdade. Poderia dizer até que ganhei um amigo para cada um que deixei "pra trás". Troquei idas à praça da cidade por sextas na Augusta. Jantas, por dias inteiros na casa da amiga. Mesmo sabendo da loucura que é São Paulo, amigo é assim: se encontra. 
    Encontra-se um amigo mesmo que ele não goste das mesmas músicas que você, ou prefira aquela matéria que você acha um porre. Amizade também é encontrar-se nas diferenças.
    Nessas férias, espero encontrar todos os meus amigos perdidos pelo mundo!


    Vejo vocês por aí.
    Isa.

    |


  2. 1 comentários:

    1. Tatto disse...

      Por isso digo e afirmo, é um enorme prazer ser um destes, dos quais voce se referiu, um amigo e também fui um vizinho que às vezes sabia o que voce queria mesmo quando voce mesma não sabia, fiz parte da usa história assim como voce fez da minha e saiba que terá, aqui, sempre um amigo para ouvir suas hitórias e sonhar junto (DUBLIN).

    Postar um comentário